Saiba um pouco sobre a nossa história!

A Rede Metrológica RS foi uma iniciativa do sistema FIERGS e deu o primeiro passo para sua formação em Março de 1990, quando uma “mesa redonda” com representantes de organismos oficiais do Estado, Universidades, Centros Tecnológicos e indústrias iniciaram a discussão de apoiar a necessidade crescente que havia no RS de disponibilizar meios confiáveis para “aferir” a qualidade dos produtos das empresas.

A partir de então, com apoio da FIERGS, foi dada continuidade aos trabalhos de formação da Associação, cuja coordenação ficou a cargo do professor da UFRGS, Físico, Dr. João Alziro Herz da Jornada. Foi então constituída uma comissão com representantes do SENAI, de Universidades, do Estado, de laboratórios privados e do Inmetro.

O próximo passo foi o de avaliar iniciativas internacionais o que resultou na busca de orientação e colaboração do físico alemão Dr. Hermann Zeller, que na época era Vice-Presidente da Academia Internacional para a Qualidade. Cabe aqui destacar o primeiro grupo de especialistas que participou da formação da Associação que foram também seus fundadores:

Era Presidente da FIERGS o Sr. Luiz Carlos Mandelli e Diretora Regional do SENAI a Professora Zeli Isabel Roesler. Ambos apoiadores da formação da Associação.

A primeira Diretoria Provisória foi formada pelos seguintes especialistas:

  • Álvaro Medeiros de Farias Theisen – Engenheiro Eletricista - LABELO-PUCRS
  • Ari Roque Adans – Engenheiro civil e mecânico - UNIJUI
  • Átila Mentz – Engenheiro mecânico - MKS
  • Boaz Ungaretti – Engenheiro mecânico - CIENTEC-SENAI RS
  • Egon Carlos Seitz – Engenheiro eletrônico - LABELO - PUCRS
  • Frederico Jorge Ritter – Engenheiro aeronáutico - DHB 
  • João Alziro Hertz da Jornada – Físico - UFRGS
  • Johann Wolfgang Limbacher – Engenheiro mecânico e metalúrgico - DANA - ALBARUS
  • Lúcio Renato de Fraga Brusch – Professor - EPO - PUCRS
  • Luiz Henrique Ferreira – Engenheiro mecânico - UNISSINOS
  • Paulo Afonso Pereira – Economista - SENAI - RS
  • Paulo Renato dos Santos Souza – Engenheiro civil - CIENTEC

O Grupo teve como seu primeiro presidente o Economista André Meyer da Silva. Em 18 de agosto de 1992, foi lavrada a ata de constituição da Associação Rede de Metrologia e Ensaios do Rio Grande do Sul. Após um período de amadurecimento e de cuidadosa elaboração do projeto de montagem da Associação Rede de Metrologia e Ensaios do RS, em novembro de 1992, com grande presença das partes interessadas, foi feito o lançamento oficial da Rede.

Seu primeiro Estatuto foi registrado em abril de 1993. O primeiro quadro Social trouxe muitas empresas que com seus quadros funcionais em muito contribuíram e contribuem até hoje com a Rede Metrológica do RS. O primeiro quadro de associados pessoas jurídicas foi assim formado:

Aeromot, Alabarus S.A.,Amadeo Rossi S.A., Andreas Sthil Motoserras S.A., Arba Amarrel Term do Brasil, Banrisul, BRDE, Celupa , CTCCA, CEV compolnentes eletrônicos, Cinética, CEEE, Cope S. A., Copesul, DHB, Digicon, Duratex, Eletrônica Selenium, Embrasul, FAPERGS, Liberato Salzano, FURG, Icotron S.A.,Iochpe Macion S.A., Iriel, Irmãos Geremia, Kepler Weber S.A., Lemp Kersting Ltda., Ministério da Aéronautica, Nitriflex, Pasrks Informática, Perto S.A., Petrobrás, Petroflex, Petroquímica Triunfo, Poliolefinas, Polisul, PPH, Recrosul, Riocell, Semeato S.A., Tintas Renner, UCPEL, UCS, UNIJUÍ,UFSM e VARIG.

Em 1994, uma bolsa RHAE/CNPq de curta duração (dois anos), apoiou um profissional, em tempo integral, para desenvolver o projeto da Rede Metrológica RS. Assim foi instituída a Secretaria Executiva da entidade. O sistema FIERGS patrocinou espaço físico, equipamentos, um auxiliar administrativo e dois estagiários. Este apoio vigeu até dezembro de 2001.

Em 1994 foi realizado um convênio/contrato entre FIERGS, SENAI-RS, Rede Metrológica RS e SEBRAE-RS, denominado Metrologia RS, que foi sendo renovado até o ano de 2004. Tal iniciativa, onde cada entidade participou, com recursos financeiros e/ou físicos e/ou humanos, permitiu fazer um recenseamento estadual da oferta de serviços metrológicos, apoiar o processo de associação de laboratórios à Rede Metrológica, apoiar a qualificação de Recursos Humanos da Rede Metrológica e de seus laboratórios associados, bem como contratação de instrutores, avaliadores, aquisição de equipamentos, materiais de consumo, etc. O somatório destes apoios serviu para consolidar a Associação.

Foram então iniciados os trabalhos de implantação e do sistema de avaliação da qualidade nos laboratórios que solicitavam, na época, pela ISO-Guide 25. A Rede proporcionou vários cursos sobre como aplicar a norma, tendo preparado muitos laboratórios para inclusive encaminharem sua avaliação pelo Inmetro. A avaliação da Rede Metrológica RS é sempre rigorosa abordando todos e cada um dos requisitos da norma. Dessa forma, os laboratórios recebem um laudo que proporciona uma visão completa da sua situação quanto à conformidade em relação à norma, apontando as ações corretivas necessárias.

Os avaliadores, de acordo com o resultado da visita de avaliação, definem se o laboratório alcança o padrão exigido. O programa compromete o laboratório em cada visita subsequente com a melhoria contínua de seu sistema da qualidade. Os laboratórios que já detêm acreditação pelo INMETRO ou por entidade reconhecida pela Rede Metrológica RS, ao se associarem, são automaticamente reconhecidos no mesmo escopo da acreditação neste caso sem a necessidade de nova avaliação pela Rede.

A Rede Metrológica RS definiu como objetivo permanente atender os critérios da quantidade e da diversidade, visando à ampliação da oferta de serviços metrológicos, bem como buscar desenvolver e qualificar novos laboratórios nas mais diversas regiões, com intuito de facilitar o acesso e pela competitividade natural reduzir custos dos serviços de metrologia para os empresários. Sua visão sempre esteve voltada às empresas em geral, com muita ênfase nas MPEs.

O SEBRAE-RS desde 1993 foi um parceiro ativo da Rede Metrológica RS, na época era superintendente o Sr. Carlos Alberto Manzoli Rico que não só entendeu a importância de haver serviços de metrologia, com qualidade assegurada, ao alcance das MPEs do no Estado, como criou em parceria com a Rede Metrológica RS um produto denominado Bônus Metrologia para apoiar com recursos a qualidade das MPEs, o Bônus Metrologia possibilita, desde 1993, as micro e pequenas empresas, micro e pequenos produtores rurais e microempreendedores individuais dos setores da indústria, comércio, serviços e agronegócios do Rio Grande do Sul acessarem os serviços de calibração de instrumentos de medição, análises em produtos e matérias primas diversas, ensaios e outros testes disponíveis nos diversos laboratórios Reconhecidos pela Rede Metrológica RS.  Após 26 anos de existência, sem interrupção, o Bônus Metrologia continua mantendo seu apoio às MPEs do RGS.

Os laboratórios que podem ofertar o Bônus devem ser reconhecidos pela Rede Metrológica do Rio Grande do Sul e/ou acreditados pela CGCRE do Inmetro. Esta exigência sempre foi um atrativo para novos associados, em ambos os casos têm que ser associados à Rede. Ainda, devem celebrar um contrato para atendimento, com a lista de serviços disponíveis e valores que serão praticados.

Em 1997, a Rede Metrológica RS, com o intuito de garantir a confiabilidade de seus serviços, Buscou junto a DNV seu primeiro programa de garantia da qualidade, certificando seus processos tendo, atualmente, o seguinte escopo de certificação pela ISO 9001:2015

  • Avaliação e reconhecimento de competência de laboratórios de calibração e de ensaios;
  • Qualificação de avaliadores de laboratório;
  • Provisão de programas de comparações interlaboratoriais e de ensaios de proficiência;
  • Preparação de materiais de referência certificados;
  • Execução de cursos.

O movimento em favor da metrologia, iniciado no RGS, rapidamente teve uma grande aceitação por parte de vários Estados da Federação e com o apoio do SEBRAE, das Federações de Indústrias e da Rede Metrológica RS. Chegaram a se formar 17 redes à imagem e semelhança da Rede Gaúcha, destacando: São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Paraná, Sta. Catarina, Bahia, Ceará, Pernambuco, Amapá, Goiás, Espirito Santo, Piauí, Pará e Amazonas.

A este movimento vieram a se somar o MAPA/Lanagros, a ANFAVEA, a ANVISA os Organismos Estaduais de Meio Ambiente, Universidades públicas e privadas, ABPA, Embrapa, IPEN, CPRM e vários Institutos de pesquisa.

O processo muito rigoroso de seleção de seus instrutores, avaliadores (saliente-se que, atualmente, um grande nº dos avaliadores da Rede Metrológica RS são também avaliadores da CGCRE do Inmetro), coordenadores de Programas de Ensaios de Proficiência, bem como o de avaliação para o reconhecimento da competência técnica de laboratórios ao mesmo tempo em que funcionou como um forte indutor para os laboratórios buscarem sua acreditação junto à CGCRE do INMETRO, foi também, altamente estimulador, formador e agregador de competências, trazendo para a Rede Metrológica RS especialistas das mais diversas áreas da metrologia. Por esta razão, a Rede conta hoje com um muito bem dimensionado e qualificado time de avaliadores de laboratórios e de instrutores sendo, atualmente, 40 (quarenta instrutores) e 52 (avaliadores de laboratórios) que por sua vez desempenham também tarefas de consultoria nas áreas da qualidade e inovação.

Como resultados de todo este programa desenvolvido para apoiar as empresas gaúchas e brasileiras em seus processos de controle da qualidade, dos quais a metrologia é a base física, podemos citar alguns números, representativos:

A Rede Metrológica RS tem 359 (trezentos e cinquenta e nove) laboratórios associados, comprometidos com o desenvolvimento de sua qualidade, atuando nas mais diversas áreas da metrologia, dos quais  254 (duzentos e cinquenta e quatro) laboratórios  já atendem plenamente à Norma NBR ISO/IEC 17025, o que representa uma quantidade estimada de 6.300 (seis mil e trezentos) diferentes serviços de metrologia, em áreas de  calibração e de ensaios, com confiabilidade assegurada pela norma internacional, no Rio Grande do Sul. Tal oferta representa uma significativa redução de custos para as empresas gaúchas, que tem acesso “local” a estes serviços. Tal política, de disponibilizar, regionalmente tão importantes e necessários serviços, está em perfeita sintonia com as necessidades emergentes do setor produtivo criando para as empresas alternativas de ação ágeis para o ajuste da qualidade diante do atual panorama de competitividade.

O número de avaliações de laboratórios realizados pelo quadro de avaliadores da Rede, nos últimos 27 (vinte e sete) anos, supera 4.000 (quatro mil) ações nas mais diversas áreas da metrologia e em vários Estados da Federação.

Outra fundamental ação para a qualificação e garantia da qualidade dos laboratórios são os ensaios de proficiência e os programas de comparações interlaboratoriais. A Rede Metrológica RS desenvolveu uma área encarregada de prover programas de Ensaios de Proficiência, em 1995, onde se somaram parceiros muito importantes como laboratórios acreditados ao Inmetro, grandes instituições e indústrias que buscaram, através da Rede RS, desenvolver programas internos de proficiência.

A Rede RS é atualmente reconhecida pela seriedade de seus programas, pela confidencialidade e pela abrangência.  Os programas de comparações interlaboratorias e de ensaios de proficiência da Rede RS são atualmente 50 (cinquenta) cadastrados no EPTIS (EPTIs é uma base de dados estabelecida em 2000, na Europa, reunindo inicialmente provedores de ensaios de proficiência de 16 países) estando entre os maiores fornecedores deste tipo de serviço no Brasil, tendo já realizado PEP nas seguintes áreas:

  • Análises Ambientais:
  • Análises Microbiológicas em Águas:
  • Análise de Combustível (Óleo Diesel):
  • Ensaios Ecotoxicológicos:
  • Amostragem:
  • Produtos Petroquímicos:
  • Ensaios de Carvão:
  • Cromatografia Iônica:
  • Cianobactérias/Hidrobiologia:
  • BTEX:
  • Voláteis em Águas:
  • Solos:
  • Óleos e Graxas:
  • Dimensional e Torque:
  • Temperatura:
  • Tempo-frequência:
  • Umidade:
  • Calibração Elétrica:
  • Calibração de Balança:
  • Calibração de Dimensional e Pressão:
  • Calibração de Pesos Padrão:
  • Análises de Bebidas:
  • Análises de Bebidas (Piloto – Matriz Sucos):
  • Análises de Medicamentos:
  • Análises de Saneantes:
  • Agrotóxicos:
  • Toxicologia:
  • Alimentos:
  • Análises de Sangue:
  • Análises de Névoa salina:
  • Dureza:
  • Tração:
  • Tração e Charpy:
  • Mecânicos e Metalográficos:
  • Azeite:
  • Sanidade Aviária:
  • Endotoxinas:
  • Polímeros – Índice de Fluidez:
  • Sementes:
  • Anticorpos Estruturais de Vírus Vacinal de Febre Aftosa – “A24” CRUZEIRO - PROVA DE ELISA / CFL :
  • Titulação de Anticorpos Estruturais de Vírus Vacinal de Febre Aftosa – “O1” CAMPOS - PROVA DE ELISA / CFL :
  • Controle de Vacinas contra a Febre Aftosa:
  • Anemia Infecciosa Equina:
  • Classificação Vegetal:
  • Água e Esgoto – Corsan :
  • Fumo:
  • Móveis:
  • Medicamentos Veterinário:
  • Aftosa com o Panaftosa:
  • Biodiesel:
  • Programa Piloto de Intercomparação Gerencial:
  • ANA (Agência Nacional de Águas):
  • Amostragem em SP – parceria Soldí (2 rodadas independentes):
  • Massas:
  • Emissões Atmosféricas:
  • Microscopia Alimentar:

Somando 7.432 (sete mil quatrocentos e trinta e dois) laboratórios participantes de 26 estados brasileiros e de 09 países: Alemanha, Canadá, Estados Unidos, Inglaterra, Argentina, Portugal, Uruguai, México e Paraguai, em 250 (duzentos e cinquenta) Programas realizados.

Na área de matérias de referencia, foram produzidos, em virtude da realização dos PEPs, os seguintes itens: MRC de Polímeros, Soro para análise de Aftosa, AIE, Metais em Água, Carvão Mineral e vinho.

A formação de recursos humanos para atuar em áreas de metrologia se constitui, ainda hoje, em uma ferramenta absolutamente necessária para prover estes recursos para as instituições prestadoras de serviços. Esta sempre foi uma das grandes preocupações da Rede Metrológica RS que, desde 1992, vem realizando “cursos” para disseminar a cultura necessária.

A Rede RS realizou, até dez de 2018, 1.153 (mil cento e cinquenta e três) eventos, tendo recebido a presença de 26.642 (vinte e seis mil seiscentos e quarenta e dois) participantes em um total de 15.353 (quinze mil trezentos e cinquenta e três) horas de atividades.

Os cursos disponíveis são:

  • Curso Avançado de Taxonomia de Cianobactérias;
  • Curso de Avaliação da Eficácia no Treinamento - Análise da Norma ABNT ISO 10015:2001;
  • Curso de 14 Ferramentas da Qualidade;
  • Curso de Análise de Sementes;
  • Curso de Auditoria Interna de Sistemas de Gestão da Qualidade;
  • Curso de Biossegurança para Laboratórios de Ensaios;
  • Curso de Boas Práticas Laboratoriais;
  • Curso de CEP - Controle Estatístico de Processo - O uso das Cartas de Controle;
  • Curso de Confiabilidade Metrológica;
  • Curso de Controle de Instrumentos e Análise Crítica de Certificados de Calibração;
  • Curso de Elaboração de Documentos do Sistema de Gestão da Qualidade;
  • Curso de Estatística Aplicada para Laboratórios;
  • Curso de Estimativa da Incerteza de Medição para Laboratórios de Ensaios;
  • Curso de Estimativa da Incerteza de Medição para Laboratórios de Ensaios e de Calibração;
  • Curso de Excel Aplicado na Qualidade;
  • Curso de Gerenciamento de Resíduos Químicos e Biológicos de Laboratórios;
  • Curso de Gestão de Riscos e Oportunidades aplicada à Laboratórios;
  • Curso de Lead Assessor NBR ISO/IEC 17025:2017;
  • Curso de Metrologia Básica Industrial;
  • Curso de Noções Básicas de Taxonomia de Cianobactérias com ênfase nas espécies potencialmente tóxicas;
  • Curso de Práticas da Qualidade para Laboratórios que utilizam Materiais Biológicos;
  • Curso de Redução de Custos e Eficiência em Laboratórios por meio da Automação e Informática Laboratorial;
  • Curso de Segurança no Trabalho em Laboratórios Químicos e Microbiológicos;
  • Curso de Sistema de Gestão da Qualidade BPL - Boas Práticas de Laboratórios;
  • Curso de Sistema de Gestão da Qualidade para Laboratórios segundo a NBR ISO/IEC 17025:2017;
  • Curso de Sistema de Gestão para Laboratórios Clínicos segundo a ABNT NBR NM ISO 15189:2008;
  • Curso de Sistema de Gestão para Laboratórios de Ensaios ABNT ISO IEC 17025:2005 - Com Ênfase em Ensaios Biológicos;
  • Curso de Sistema de Indicadores de Desempenho de Laboratórios;
  • Curso de Técnicas de Coleta e Preservação de Amostras Ambientais;
  • Curso de Tratamento de Não-Conformidades;
  • Curso de Validação de Métodos – Avançado

Podem ser solicitados cursos que não estão aqui listados, para tanto, a Rede Metrológica RS buscará o profissional qualificado para atender a demanda solicitada. Neste caso, devem ser informados tópicos/escopo e público alvo e será desenvolvido um projeto, definida uma carga horária adequada, preparação de material didático e definição de custos envolvidos para que seja elaborada a proposta.

Conceitualmente, nossa instituição, trata-se de “uma organização em rede”, onde nenhuma parte, mesmo os seus “nós” principais, têm autoridade formal sobre as demais. Dessa forma, o planejamento global, a articulação e o direcionamento estratégico começam a assumir importância crucial no domínio da metrologia, tendo em vista o atendimento à demanda dos setores produtivos, a satisfação dos clientes e o adequado funcionamento do conjunto.

Entendemos que varias questões de caráter tecnológico afetam a competitividade das empresas brasileiras, quer no mercado interno, quer no externo, podemos citar: a capacidade de incorporação de inovações tecnológicas e gerenciais o atendimento a requisitos especificados em normas e regulamentos técnicos aplicáveis aos seus produtos, a elaboração de novos projetos e a sua gestão nas empresas.

No primeiro caso, a ênfase da estratégia competitiva está na agregação de valor e na capacidade de reagir às demandas dos mercados mais dinâmicos, que de forma contínua, crescente e até agressiva, requerem novos bens e serviços. No segundo caso, a ênfase é na apresentação de evidências objetivas de que os bens e serviços ofertados atendem a exigências de caráter voluntário ou compulsório expressas pelos certificados de conformidade e suas formas correlatas. Finalmente, em um mercado em ampla expansão e com forte concorrência ninguém admite que um novo projeto industrial, independente do seu porte, seja implementado sem planejamento, cronograma detalhado ou orçamento.

 Cada novo projeto requer capacitação, mudança de valores, de processos produtivos e mesmo de sistemas de gestão. Na visão do mercado podemos até parafrasear que “Qualidade é a consistente conformidade com as expectativas dos consumidores”. A dinâmica do mercado vem imprimindo velocidade e intensidade crescentes a esses desafios.

Desde a fabricação de matérias-primas até a aplicação nas linhas de produção, existirão equipamentos e técnicas de medição que devem ser adaptados às características de cada novo processo e/ou novo produto. No entanto, para que os resultados encontrados possam servir, efetivamente, como dados seguros é necessário que sejam confiáveis. E novamente voltamos à questão: como assegurar a confiabilidade? Como resposta encontramos a Metrologia, definida como a ciência da medição, e que tem como foco principal prover confiabilidade, credibilidade, universalidade e qualidade às medidas.

Como as medições estão presentes, direta ou indiretamente, em praticamente todos os processos de produção industrial de tomada de decisão, a abrangência da metrologia é imensa, envolvendo a indústria, o comércio, a saúde, a segurança, a defesa e o meio ambiente, entre outros.

Um ponto fundamental é a necessidade de haver laboratórios cujas técnicas de medição sejam universais, para tanto a ISO – the International Organization for Standardization, desenvolveu uma norma exclusiva para laboratórios de ensaios e calibração. Essa norma atesta que o laboratório executa suas atividades com precisão e exatidão, assim obtendo resultados confiáveis. A Norma estabelece critérios que demonstram a competência técnica e a execução efetiva de um sistema de gestão. Esses critérios garantem a produção de resultados tecnicamente válidos.

Assim, em qualquer parte do mundo, os laboratórios que estiverem atendendo esta norma obterão resultados confiáveis e terão um sistema de gestão eficaz. Isso porque, antes de um laboratório ser reconhecidamente competente tecnicamente de acordo com a ISO/IEC 17025, ele passa por avaliações. Esta análise criteriosa por parte dos avaliadores garante o padrão internacional dos laboratórios, de forma que os resultados dos ensaios poderão ser  aceitos como confiáveis.

Em 2017 A FEPAM – RS - Fundação Estadual de Proteção Ambiental Henrique Luiz Roessler emitiu a PORTARIA 30/2017, que Instituiu o procedimento obrigatório para concessão do cadastro ambiental, incluindo como critério o Reconhecimento conferido a laboratórios para os ensaios e calibrações pela Rede Metrológica RS, e que disponha de sistema de gestão de qualidade estruturado conforme os requisitos da norma NBR ISO/IEC 17025. Esta Portaria foi emitida após cuidadoso processo de avaliação dos trabalhos da Rede Metrológica RS, feita por técnicos especialistas da Fundação Gaúcha.

Outra importante parceria, com a duração de dez anos, foi o programa de cooperação técnica feito com o MAPA. O convênio teve vigência até 2018 e está em fase de estudo para renovação. Outro relevante projeto desenvolvido pela Rede Metrológica RS, em parceria com a Superintendência Regional do Inmetro do Rio Grande do Sul – SURRS foi o convênio para realização de ensaios metrológicos para fins de verificação pelo Inmetro. A parceria entre o Inmetro-SURRS e a Rede Metrológica RS teve inicio no ano de 1999 e vigorou até abril de 2017. A partir da realização dos convênios com a Rede Metrológica do RS, o Inmetro-SURRS ampliou, significativamente, a verificação de instrumentos submetidos à fiscalização.

A Rede Metrológica chegou a ter uma equipe de 180 pessoas (agentes e auxiliares de metrologia legal) trabalhando exclusivamente na realização de ensaios para verificações de metrologia legal no RS. A parceria entre o Inmetro e a Rede Metrológica RS definiu um vigoroso salto de qualidade no atendimento do Inmetro, tanto para as indústrias como ampliando a proteção a cidadania gaúcha.

O Quadro atual de empregados da rede Metrológica RS é de 7 pessoas, mas é fundamental salientar que a rede conta com um grupo de instrutores, avaliadores de laboratórios e consultores, todos especialistas em metrologia, pessoas juridicas que completam o quadro de colaboradores da associação.

Podemos dizer que mais do que olharmos o nosso passado, mesmo que recente, é permitir imaginarmos um futuro melhor com base nas experiências que já vivemos. É buscar a compreensão das tendências e dos ciclos dos acontecimentos para obtermos novas perspectivas ou apontarmos soluções, ainda que diferentes.

Acreditamos que não é o caso de apenas lembrarmos e memorizarmos fatos, datas de eventos etc., também temos que envolver a análise do impacto geral dos acontecimentos passados e as tendências para o futuro.

Finalmente, a Rede Metrológica RS deve sempre ser uma importante ferramenta para ajudar a desenvolver a cultura pela metrologia e pela qualidade, seu raciocínio critico e analítico, aguçando a capacidade de apoiar a solução de problemas em sua área de ação, de formas a poder encontrar a melhor solução para o futuro e não voltar a repetir eventuais erros passados.

Visite a Rede traga opiniões e vamos ampliar juntos a nossa capacidade de apoiar a metologia brasileira.